A trajetória do Agricultor Sintrópico Yuri Diniz começou durante sua graduação em Geografia. À convite de um amigo, foi fazer um curso na Bahia sobre Agroflorestas, ministrado por Ernest Gotsch, o criador da Agricultura Sintrópica, um modelo de agricultura no qual os processos naturais são transformados em técnicas agrícolas, dispensando o uso de insumos externos e conservando a energia dentro do sistema. Daí o uso do termo “sintropia”, que surge em oposição à “entropia”, Lei da Termodinâmica associada à desordem e degradação da energia.

Os ensinamentos de Gotsch marcaram tanto a vida de Yuri que, ao retornar à Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, onde estudava na época, começou a “agroflorestar” na própria universidade. Em um espaço da universidade chamado Estação Ambiental, Yuri e outros colegas da PUC criaram uma agrofloresta urbana.

Da cidade ao campo, Yuri mostra que a agrofloresta é compatível com todos os ambientes. Na CARPE, empresa idealizada e fundada por ele, cria projetos de hortas, agroflorestas e jardins, seguindo os preceitos da Agricultura Sintrópica. Praças urbanas, apartamentos, sítios, chácaras, casas, condomínios, hotéis. Todos esses são, potencialmente, espaços de intervenção da CARPE, que resultarão em ambientes mais agradáveis, alimentos livres de agrotóxico e reconexão com a natureza.

Yuri Diniz estará presente no Silabas, o Simpósio Latino Americano de Bioarquitetura e Sustentabilidade, que ocorrerá entre os dias 07 e 10 de Setembro, em Nova Friburgo, RJ, durante o Festival da Sustentabilidade. O palestrante ministrará um workshop sobre Agricultura Sintrópica, além de compor uma mesa sobre o tema.